O novo “normal” e a relação com comida

Chegou setembro e talvez você também havia imaginado que nessa altura do ano estaríamos de volta ao “normal”.

Mas não.

Ainda que algum movimento esteja começando a ser retomado com a abertura dos bares, restaurantes e comercio o normal de antes não volta. Pelo menos não da mesma forma pois nós mudamos.

Ou não? Eu não conheço uma pessoa que não tenha mudado alguns aspectos na forma de pensar e conectar com a vida. Você conhece?

E se a construção desse novo normal fosse uma conexão com o que é mais natural?

Nisso a relação com a comida também merece ser revisada. Quem disse que comer pão todos os dias é normal? Quem disse que sentir desconforto depois de todas as refeições é normal? Quem disse que comida durar meses na prateleira é normal? Quem disse que tal alimento é excelente e o outro é ruim?

Na verdade, quando você se conecta com seu corpo, suas sensações físicas e emocionais de acordo com cada escolha, percebe que tem muitas colocações sobre a relação com a comida que podem ser normais, mas não são naturais. São “normais” pois grande parte das pessoas fazem ou sentem igual. Apenas isso. Mas não naturais, pois natural é o que segue os ciclos da natureza em harmonia, é o conforto interno e de sensações físicas.

E se o novo normal, a nova forma como a maior parte das pessoas age e se sente fosse conectar com o que é natural do próprio corpo honrando a natureza que abastece esse corpo, a Terra. E assim comer mais comida ao natural, comida fresca que estraga. Deixar de comer o que causa desconforto. Questionar o que é bom ou ruim para a sua natureza, seu corpo. Que é diferente do corpo do outro.

Quais questionamentos você se faz sobre as coisas que tem considerado “normal” no seu corpo ou rotina? Será que são naturais? Qual vai ser seu novo normal? E se começar simplesmente conectando com a natureza do seu corpo?

Beijos mil

Karelin Cavallari