COMER ESCONDIDO – escondido de quem?

Abre a geladeira, pega duas colheradas do pudim ali mesmo bem rápido e fecha correndo.

Come o chocolate no caminho antes mesmo de chegar em casa e já joga a embalagem.

Passa pela cozinha e enfia um punhado de castanhas na boca bem rápido, quase sem perceber.

Cutuca um pedaço de bolo que está no balcão, enfia na boca e volta a fazer outras coisas.

 

Esse comer rápido, escondido acontece forma inconsciente muitas vezes. É quase como se uma parte de você acreditasse que comer escondido impede o corpo de absorver o alimento. Como se não contasse como consumido e bloqueasse a culpa. Afinal, quem come alface escondido? O comer escondido tende a acontecer com alimentos que você acredita serem proibidos.

Aliás, é esse julgamento dos alimentos como proibidos ou permitidos um dos gatilhos para comer escondido.  A partir do momento em que você reconhece que todos os alimentos são permitidos e nada vai mudar seu corpo de forma isolada, fica mais leve comer qualquer coisa.  Afinal tudo é comida.

Outro fator importante é perceber de onde vem esse julgamento ou cobrança que leva a comer escondido. Qual parte de você esconde? Qual parte de você está alimentando quando escolhe essas preparações? Qual parte de você alimenta essa culpa? Será sua criança ferida? A parte de você que esta cansada? A parte que quer apenas se conectar com um pouco de prazer, ausente em outras partes? A parte que sente culpa em aproveitar o prazer?

Perceber, reconhecer, acolher é uma forma de curar a relação com a comida. Inclusive o ato de comer escondido.

 

Beijos mil

Karelin Cavallari